BEM-VINDO
O melhor conteúdo para você
2 minutos de leitura (395 palavras)

Perspectiva Psicanalítica sobre as Alucinações

Sem procurar esgotar o assunto e ressaltando que há algumas divergências entre as vertentes em psicanálise, podemos resumir, de forma geral, as alucinações em um bloco e através disso delinear algumas perspectivas psicanalíticas sobre as alucinações. Mas antes, vamos definir o que é uma alucinação:

Alucinação:

A alucinação é um transtorno da sensopercepção que mantém relação com o inexistente: a pessoa percebe um objeto, um copo por exemplo, sem que este esteja presente. Logo, para tal transtorno não há necessidade de haver um estímulo para que haja uma percepção errônea sobre o concreto.

A primeira e notável diferenciação entre os termos alucinação e ilusão foi proposta pelo alienista Esquirol (1772-1840):

"Um homem que tem a convicção íntima de estar percebendo uma sensação para a qual não há objeto externo estimulante está, então, em um estado de alucinação[...]".

Continuando. As alucinações se constituem enquanto uma ferramenta do ego, um mecanismo de defesa que procura expulsar para o meio (para fora de si, do eu, do sujeito) conteúdos inconscientes: desejos, conflitos recalcados, temores. São projeções, um mecanismo de defesa do Ego que se resume num poderoso processo defensivo de conteúdos insuportáveis para o Ego.

Se aceitarmos que o sujeito é um ser social atravessado pela linguagem entendemos, então, a exemplo das alucinações auditivas, que o alucinado exterioriza a experiência social da qual sua interação conflituosa resulta em significantes fortemente carregados de ansiedade, desmoralização, culpa e/ou até mesmo representação da autoridade enquanto tal (representada pelo agente encarnado da Lei, um pai, um professor, por exemplo).


Há também outros tipos de alucinações, como lembrado por Paulo Dalgalarrondo em seu livro Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais, tais como as visuais e gustativas, sendo as alucinações auditivas as que mais possuem significância psicológica na clínica. Em breve tarei mais artigos aprofundando o tema das alucinações e sua etiologia à luz da psicanálise, mostrando as diferenças entre as grandes vertentes psicanalíticas e explicando em detalhes. Nesse artigo limito-me apenas a mostrar um geral sobre as alucinações pela perspectiva psicanalítica.


Recomendo a leitura do seguinte artigo:

Qual a diferença entre Ilusão e Alucinação?

Saber diferenciar essas duas alterações da mente humana é de suma importância para a atuação do profissional de psicologia e, enquanto estudantes, torna-se inevitável seu estudo. Devemos conhecer porque tais alterações refletem, evocam, funções psíquicas distintas e que desmascaram possíveis patologias no indivíduo. Devemos sim saber qual o nível ...
http://psicoeduca.com.br/psicologia/psicopatologia/120-qual-a-diferenca-entre-ilusao-e-alucinacao
FREUD - Nova série "psicológica" pela Netflix
Qual a diferença entre Ilusão e Alucinação?

Related Posts

 

Comentários

Nenhum comentário foi feito ainda. Seja o primeiro!
Já possui conta? Faça seu login
Visitante
Quarta, 28 Outubro 2020
Se você deseja se registrar, preencha os campos usuário, senha e nome.

By accepting you will be accessing a service provided by a third-party external to https://psicoeduca.com.br/