BEM-VINDO
O melhor conteúdo para você

Perspectiva Psicanalítica sobre as Alucinações

perspectivas-psicanalitica-transtorno-alucinacao
Sem procurar esgotar o assunto e ressaltando que há algumas divergências entre as vertentes em psicanálise, podemos resumir, de forma geral, as alucinações em um bloco e através disso delinear algumas...
Continuar lendo
  160 Visualizações
  0 Comments
160 Visualizações
0 Comments

Qual a diferença entre Ilusão e Alucinação?

qual-a-diferenca-alucinacao-e-ilusao
Saber diferenciar essas duas alterações da mente humana é de suma importância para a atuação do profissional de psicologia e, enquanto estudantes, torna-se inevitável seu estudo. Devemos conhecer porq...
Continuar lendo
  2098 Visualizações
  0 Comments
2098 Visualizações
0 Comments

O que é Transtorno do Espectro Autista

O que é Transtorno do Espectro Autista

 

Basicamente, são condições comportamentais caracterizadas pelo prejuízo das habilidades sociais, comunicação verbal (ou não verbal) e na cognição (inteligência da pessoa). Essas condições podem se apresentar de diversas formas, mas normalmente são descobertas em crianças com dificuldade na interação social (não via de regra), com dificuldade em socializar e, também, com dificuldades cognitivas (de aprender, manter atenção). Essas características normalmente são descobertas na infância e durante a faze de alfabetização, na relação social e de aprendizagem que a criança passa durante esse período. O transtorno afeta cerca de 1% das crianças em idade escolar.

Hoje em dia o “Autismo” é amplamente conhecimento, em relação aos anos que nos antecedem. Entretanto, ainda há muito para divulgar e conhecer nessa área. Principalmente em nosso sistema de ensino, tanto público quanto particular.

 

Um marco do estudo do “Autismo” foi a publicação de um artigo científico, em 1943, de Kanner, que nada mais é que um relato médico de 11 crianças e que descrevia o comprometimento da interação social dessas mesmas, ele revelava também a presença de comportamentos estereotipados – comportamentos repetitivos e sem proposito aparente. Kanner relatou também a presença de inversão pronominal por parte dessas crianças, onde elas se referiam na 3ª pessoa. Exemplo: ao invés de dizer “eu quero isso”, diziam “André (nome dele) quer isso”, se referindo a si mesma.

Continuar lendo
  1967 Visualizações
  0 Comments
1967 Visualizações
0 Comments