BEM-VINDO
O melhor conteúdo para você
2 minutos de leitura (462 palavras)

Sobrevivendo aos primeiros 5 Anos de Vida

 

Sabemos que a mortalidade infantil ainda é uma preocupação para nossa e demais sociedade desse mundo, tanto que nos últimos anos foram empregados recursos valiosos no combate e prevenção da negligência infantil. Os esforços internacionais para melhorar a saúde da criança focalizam-se nos primeiros cincos anos, considerados cruciais, porque em média 90% das mortes de crianças com menos de 15 anos ocorrem durante esse período. Cerca de 98% da morte de crianças acontecem em áreas (regiões) rurais pobres, onde a nutrição é inadequada, a água é imprópria para o consumo, faltam instalações adequadas para moradia e condições sanitárias inexistentes ou precárias.

As chances de uma criança sobreviver ao seu quinto aniversário, nessas condições, são escassas e quem o consegue poderá ter sequelas de esperança de um amanhã melhor. Felizmente, nas últimas quatro décadas houve um emprego de esforços para reverter essa situação e praticamente duplicou as chances de sobrevivência dessas crianças. Infelizmente há mais de 17 milhões de crianças, no mundo todo, que foram vítimas desse descaso social.

Só para comparação, das mortes aqui falas 49% delas ocorreram na África e 32% no sul da Ásai (UNICEF 2009). Um bebê nascido em Serra Leoa tem 3,5 mais chances de morrer do que uma criança nascida na Índia e com probabilidade 100 vezes maior do que uma criança nascida na Islândia, que tem a menos taxa de mortalidade infantil, por exemplo (WHO, 2003). Os dados nos revelam que aproximadamente 3 milhões de bebês por ano nascerão mortos e outros 4 milhões morrerão em seu primeiro mês de vida (WHO, 2007). As principais causas de morte, no mundo todo, são doenças transmíssiveis: malária, diarreia, assepsia neonatal e pneumonia. Infelizmente posso afirmar que a pneumonia é a doença que mais mata crianças nos primeiros 5 anos de vida.

 

Causas principais de morte em crianças com menos de 5 anos de idade:

  1. 36% Mortes neonatais.
  2. 17% Infecções respiratórias agudas.
  3. 16% Diarreia.
  4. 09% Outras doenças infecciosas e parasitárias.
  5. 07% Malária.
  6. 04% Sarampo.
  7. 04% Doenças não comunicáveis.
  8. 04% Ferimentos.
  9. 02% HIV/AIDS.
    • FONTE: OMS, 2008.

Ainda bem que esses números estão sendo revertidos com o passar do tempo, mas ainda é preocupante o número de crianças com morrem por negligência dos governos mundiais. Acredito que se realmente um esforço fosse aplicado sobre essa situação haveria melhor, mas nossos líderes mundiais pouco se preocupam e os que o fazem ainda sim é uma parcela pequena, que ajuda e isso é melhor que nada. Claro que há diversos fatores econômicos envolvidos, mas sei que um pouco mais de preocupação e ajuda não faria mal. Esse texto foi e é uma adaptação do "Janela para o Mundo" das páginas 256-257 do livro Desenvolvimento Humano, PAPALIA, 2013.

 

Quer saber mais informações sobre essa? Então curta nossa página no FACEBOOK.

 

Audiência busca sensibilizar brasileiros sobre a d...
Fidedignidade, Validade e Padronização em Psicomet...

Related Posts

 

Comentários

Nenhum comentário foi feito ainda. Seja o primeiro!
Já possui conta? Faça seu login
Visitante
Terça, 27 Outubro 2020
Se você deseja se registrar, preencha os campos usuário, senha e nome.

By accepting you will be accessing a service provided by a third-party external to https://psicoeduca.com.br/