Equipe de Colaboradores
Juntos enriquecemos as práticas psicológicas

 

CONHEÇA NOSSOS AUTORES NOSSAS AUTORAS OS COLABORADORES DO PSICO EDUCA

Amante das subjetividades humanas e um curioso admirador das repetições da vida com seus novos encontros. Busca contribuir para com uma melhora em saúde mental, estimular o saber e reflexão crítica dentro das práticas psicológicas.

 

Olá Psico Leitores,

Recebi vários pedidos, pela nossa página no facebook (PsicoEduca No Facebook), para que eu fizesse um artigo sobre "O que é a Psicologia do Desenvolvimento?", então resolvi atendê-los, porém, de forma resumida já que esse tema é breve e não há muito o que desenrolar. Entretanto, há muito o que se estudar dentro da área de estudo da psicologia do desenvolvimento. Você pode conferir nossos artigos sobre o Desenvolvimento Humano clicando aqui.

O que é Psicologia do Desenvolvimento?

A psicologia do desenvolvimento estuda todos os estágios (ou períodos) da maturação corporal e a interação psicossocial do ser humano. Em outras palavras, tal psicologia estuda as mudanças que ocorrem nos seres humanos ao longo da vida, desde a concepção até o falecimento.  Essa área de estudo da psicologia, procura formular e responder perguntas sobre os aspectos universais dessas mudanças e, assim, proporcionar uma melhor compreensão do sujeito como um todo. Temos por desenvolvimento humano o conjunto de processos de transformação e estabilidade ao longo de todo um ciclo de vida humano.

Continuar lendo

 

Olá PsicoLeitores, hoje trago um pequeno resumo sobre o livro Além do Princípio de Prazer. Eu li e adorei o livro. Nele Freud expressa toda sua genialidade ao nos apresentar a noção de pulsão de morte e compulsão à repetição. Aqui na Resenha de Livros, não procuro passar informações muito detalhadas sobre o livro, apenas quero passar as minhas impressões dos livros que leio e, se possível, instigar em vocês a leitura desses livros. E como primeiro livro escolhi o Além do princípio de Prazer, por Sigmund Schlomo Freud. Vamos para algumas informações técnicas:

 

Autor: Sigmund Freud.

Título: Além do Princípio de Prazer.

Continuar lendo

 

 

Esse é mais um artigo da sequência "Desenvolvimento Humano" que abordará todos os períodos da vida humana, que vai desde o nascimento até o falecimento. Já falamos aqui no Psico Lógos sobre os Conceitos Dentro do Desenvolvimento Humano bem como suas Influências através do ambiente, maturação e hereditariedade.
Recomendamos, também, a leitura do seguinte artigo: Estágios do Desenvolvimento Humano; Que é um artigo introdutório para o artigo que você está prestes a ler.

 

Primeira Infância: Do Nascimento até os três anos de idade. 

"As experiências dos três primeiros anos de vida estão quase inteiramente perdidas para nós, e quando tentamos entrar no mundo de uma criança pequena, chegamos como estrangeiros que se esqueceram da paisagem e não mais falam a língua nativa."
(Fraiberg, Selva. The Magic Years, 1959

 As primeiras quatro semanas de vida do bebê é denomina de período neonatal, que é a fase de transição entre a dependência intrauterina e a existência independente. As características físicas dos bebês recém-nascidos são bem distintas, incluem uma cabeça grande (em proporção ao restante do corpo) que em média é um 1/4 do corpo e um queixo recuado (que facilita na amamentação). Uma curiosidade sobre o crânio dos neonatos é que ele só estará completamente formado (ossos unidos) por volta do 18º mês. Sabemos que o nascimento é um período muito delicado para o bebê (e mãe), ele vem de uma situação completamente dependente da mãe; a circulação sanguínea, respiração, nutrição, eliminação de resíduos e a regulação da temperatura são realizados através do corpo da mãe e, após o nascimento, os sistemas e funções corporais do bebê devem operar por contra própria.

Continuar lendo

 

 

 

Nome do Documentário: Freud - Análise de Uma Mente

Continuar lendo

bipolar 

Toby Allen ilustrou Transtornos Mentais como Monstros em uma série de imagens com descrições bem interessantes e didáticas. Tais ilustrações estão retratadas de forma lúdica e bem divertida, uma ótima forma de aprender sobre o tema.

Continuar lendo

 

Wilhelm Maximilian Wundt (1832-1920) foi filósofo, médico e psicólogo. Nascido em 31 de agosto de 1832 em Mannheim, Alemanha, teve uma infância bastante solitária e recheada de fantasias sobre seu futuro como escritor famoso. Filho de pastores luteranos alemães, Wundt não alimentava boas lembranças de seu pai, "lembrava-se de um dia em que o pai fora visitar a escola e dera-lhe uma bofetada no rosto por não prestar atenção ao professor" (Schultz, 2016, p. 67). Ele veio de uma família com forte tradição acadêmica, tradição esta que se justifica com ancestrais intelectualmente renomados em praticamente todas as áreas da época. Não é difícil imaginar a pressão que ele não passara, "parecia que essa extensa linhagem seria interrompida com o jovem Wundt" (Schultz, 2016, p. 68).

"A primeira etapa da investigação de um fato deve ser uma descrição dos elementos individuais [...] dos quais ele consiste" (Diamond, 1980, p. 85).

(Declaração de Wundt)

 

Continuar lendo

 

 

Esse artigo é uma continuação de Wilhelm Wundt - O pai da psicologia, para queira saber sobre a vida de Wilhelm Maximilian Wundt clique aqui.

 

O Método de Introspecção de Wundt:

 A introspecção é o ato em que a pessoa analisa seus estados mentais, tomando consciência deles. Crenças, imagens mentais, emoções, memórias (visuais, auditivas, tácteis, olfativas) e pensamentos são conteúdos mentais que são passíveis de intropecção. Em outras palavras a introspecção é a autoanálise da mente a fim de inspecionar e relatar pensamentos e/ou sentimentos pessoais.

Continuar lendo

livro aborto capa 1

 

Nesta Quinta Feira, dia 24/11, o Conselho Federal de Psicologia publicou um novo livro com o tema "Aborto e (Não) Desejo de Maternidade(s)" que pretende fomentar debate sobre a necessidade de reflexão crítica da categoria acerca desses conceitos.

Continuar lendo

 

 Abraham Harold Maslow (1908-1970) foi um psicólogo americano, conhecido pela sua teoria da Hierarquia das Necessidades e pelos estudos que incentivaram o movimento humanista que, por consequência, trouxeram credibilidade acadêmica para a psicologia humanista. Nasceu em primeiro de abril de 1908, no Brooklin. Filho de imigrantes russos, foi o primogênito entre um total de sete irmãos.  Por influência de sua família foi estudar direito na faculdade de direito de Nova York, onde ficou por um ano e meio e se transferiu para Cornell University.

Schultz (2016, p. 338) nos conta: "Quando ele (Maslow) foi para Cornell University, sua primeira experiência com a área de psicologia o alienou quase completamente", e continua, "O curso para o qual se matriculou, dado por Titchenner era 'horrível e desanimador e não tinha nada a ver com pessoas, por isso, fiquei horrorizado e me afastei do curso' (Hoffman, 1988, p. 26)". Logo depois, Abraham Maslow se transferiu para a University of Wisconsis. Foi lá que ele encontrou uma abordagem diferente em psicologia, obtendo Ph.D. em 1934.

Porém Maslow, até então, tornara-se um entusiasta behaviorista watsoniano e era convencido de que a abordagem científica natural mecanicista podia proporcionar todas as respostas para os problemas do homem. Foi então que "uma série de experiências pessoais o levou perceber que o behaviorismo era limitado demais para lidar com os persistentes problemas do homem" (Schultz, 2016, p. 338). Foi influenciado por leituras dentro da psicologia da Gestalt e da Psicanálise, além do contato que teve com os psicólogos europeus fugidos da Alemanha nazista e instalados nos Estados Unidos, tais como Koffka, Adler, Wertheimer e Horney. O contato com esses importantes psicólogos foi possível porquê Maslow estava ministrando aulas no Brooklyn College, e foi onde suas primeiras tentativas de humanizar a psicologia tiveram consequências pessoais negativas. Ele foi considerado muito ortodoxo, fora do contexto behaviorista, os professores e seus colegas o evitavam; mas esse período era compensado pela simpatia dos jovens estudantes.

O ataque surpresa a Pearl Harbor, em 7 de dezembro de 1941, afetou Abraham Maslow. "Aquele momento mudou minha vida", escreveu ele, "e determinou o que tenho feito desde então" (Hall, 1968, p. 54). Foi a partir disso que ele decidiu dedicar-se ao desenvolvimento de uma psicologia que lidasse com os ideais humanos mais polidos. Decidiu (e não mediu esforços) trabalhar para transformar a personalidade humana, melhorando-a. Ele estava cansado das outras psicologias só prestarem atenção no lado obscuro da personalidade; no caso da psicanálise com suas histerias e complexos; e a total desumanização (na visão dele) por parte do behaviorismo. Ele era contra o determinismo na psicologia. Maslow acreditava que o ser humano era capaz de comportamentos mais nobres do que o ódio, preconceito e guerra; desviou sua energia para criar uma psicologia que tinha como foco os atributos nobres do ser humano, que estimula o que temos de melhor.

Continuar lendo

racismo no rh

 

Vídeo mostra reações diversas a fotografias quase idênticas, onde a única diferença é a cor da pele. Campanha intitulada "Teste de Imagem" foi publicada na página do Governo do Estado do Paraná e traz uma triste realidade.

Continuar lendo